Do cotidiano, um ritual

Estamos mergulhados em luzes e sons ininterruptos, sempre priorizando aqueles capazes de diversas atividades simultâneas, otimizado e funcional. Tamanha é a exigência de sermos multi-tarefas que já é possível perguntar: Quando foi a última vez que você fez uma coisa só? Hoje vamos falar um pouco sobre a necessidade da ritualização do cotidiano.

0 Comentários

O pânico renasce

Entre os anos 80 e 90, um surto de pânico moral invade corações e mentes pelo mundo. Um medo generalizado do demônio e seus asseclas, incentivado pelo sensacionalismo televisivo, leva a diversos casos de perseguição de inocentes e julgamentos equivocados. E hoje, do fundo da internet, vemos surgir uma onda semelhante de medo delirante, só que dessa vez, com objetivos claros. Hoje vamos falar um pouco sobre o pânico satânico.

0 Comentários

Somos flecha e somos arco

Submersos em um mundo que tenta vender o sucesso como única possibilidade e usa as redes sociais para propagar uma ideia distorcida de mérito, é difícil de perceber que a dicotomia sucesso e fracasso não faz sentido, principalmente em um mundo injusto e desigual.

0 Comentários

Uma ode ao fracasso

Submersos em um mundo que tenta vender o sucesso como única possibilidade e usa as redes sociais para propagar uma ideia distorcida de mérito, é difícil de perceber que a dicotomia sucesso e fracasso não faz sentido, principalmente em um mundo injusto e desigual.

0 Comentários

Eu sou (e sempre serei) um amador

Há quem sonhe com um mundo onde a arte está na mão de poucos e bem treinados. Eu não: anseio que todos, sem exceção, façam e compartilhem arte. Um mundo de artistas amadores - onde se expressar é coisa do dia a dia.

0 Comentários

Vai passar…

É precisamos resistir e sobreviver. Resistir e sobreviver para reconstruir, para amar, para velar e lembrar os mortos! Eles Passarão, nós passarinho!

0 Comentários

Quem conta o conto, domina o povo

Somos animais "culturais", animais que tem grande parte da vida dominada pelo subjetivo e seus caminhos, as famosas narrativas. E é justamente essa característica que nos faz hiper sensíveis a elas - e aqueles que as dominam.

0 Comentários